Please enter your username and email address. Get new password
Register Now
x

Josh Klinghoffer fala sobre o álbum Inhibition

00
Você pode conhecer o nome de Josh Klinghoffer como guitarrista dos Red Hot Chili Peppers. Então, novamente, você pode conhecer o seu nome a partir de seu trabalho com Gnarls Barkley, Bob Forrest, John Frusciante ou um dos muitos projetos que ele já esteve envolvido. Logo, você também vai conhecê-lo devido a sua banda, Dot Hacker. Resultado da amizade e do desejo de expressar a música que ele tinha escrito em paralelo durante anos, Dot Hacker tornou-se uma banda em 2008 e até gravou um álbum. No entanto, devido aos horários exigentes dos membros da banda, o álbum, “Inhibition” vai finalmente ter sua estréia em 01 de maio de 2012. Recentemente tive a oportunidade de falar com Klinghoffer sobre, não só a Dot Hacker mas também o seu fundo musical e como é para ele equilibrar o lançamento de “Inhibition” com sua turnê com os Chili Peppers.
Começamos a nossa conversa com um pouco da história por trás do Dot Hacker e porque a banda foi formada. Quando perguntei o que foi o catalisador para começar sua própria banda, Klinghoffer disse que tinha passado tanto tempo em turnê com outros artistas, fazendo a música deles que ele estava pronto para fazer um pouco de sua própria. Ele explicou que gostou muito de todas as experiências de turnê e dos grandes músicos com que já teve a oportunidade de tocar, mas que sentiu que havia algo faltando em sua própria experiência musical. Durante a turnê com Gnarls Barkley, Klinghoffer (vocais, guitarra, teclados) e o homem que logo se tornaria o outro membro fundador da Dot Hacker, Clint Walsh (guitarra, teclados, backing vocals) conversaram sobre isso e decidiram formar uma banda. Então eles recrutaram Eric Gardner (bateria) e Jonathan Hischke (baixo).
Klinghoffer explicou que não havia previsto o processo de gravação para a banda. Ele teve algumas demos e idéias que levou para as sessões de compor as músicas, mas às vezes os caras eram apenas do tipo “fazer jam por horas e escolher bits”; os quais eles foram capazes de reunir no álbum Inhibition. No entanto, antes do Dot Hacker lançar seu álbum recém-concluído ou quaisquer datas da turnê, o Red Hot Chili Peppers chamou Klinghoffer para entrar na banda como o guitarrista. Após ter conhecido e tocado com o Red Hot Chili Peppers antes, esta não era uma oportunidade que ele quizesse despensar, então ele aceitou. Depois de trabalhar no décimo álbum de estúdio dos Chili Peppers, “I’m With You” e começar a turnê para apoiar esse lançamento, o álbum do Dot Hacker continuava aguardando, pronto para ser ouvido pelas massas. Klinghoffer está fazendo um ato de equilíbrio entre os dois projetos. Quando perguntado se ele sentia como se estivesse constantemente a mudar de marcha, ele respondeu que há alguns meses atrás, ele poderia ter dito não, mas que depois de um recente show no Troubadour com o Dot Hacker que caiu no meio de uma semana de ensaio com os Chili Peppers, ele agora percebe que ele vai precisar de alguma habilidade de programação e, possivelmente, um dia de folga entre projetos para descansar, para conseguir continuar com tudo. Enquanto isso soa como esmagador, ele diz: “Quando tudo está feito, eu sou apenas grato por poder tocar música, e eu fiz algo para duas bandas cheias de pessoas que eu absolutamente adoro e amo”. Faz todo o sentido depois de falar que ele pode se divertir fazendo tantas coisas. Ficou evidente ao longo da nossa conversa que a sua paixão pela música é inquestionável e que não há literalmente nada mais que ele prefira estar fazendo.
Outro assunto que abordamos quando conversamos foi o ressurgimento do vinil na cena musical atual. Klinghoffer é um grande defensor do vinil e afirmou que é seu formato preferido para a compra de novos lançamentos. Ele está contente pela gravadora do Dot Hacker, a ORG Music também ser fã do formato e realmente terá um número limitado de cópias de ‘Inhibition’ disponível em vinil, para os fãs que se sentem da mesma maneira que ele. Klinghoffer passou a dizer: “Me senti tão bem em obter uma caixa deste registro em vinil. Foi um dos melhores momentos da minha vida”, um sentimento que eu tenho certeza, muitos músicos concordam nos dias de hoje.
Eu mencionei que me lembrava de ter um toca-discos quando era criança e acabamos falando um pouco sobre como Klinghoffer passou de um garoto comum para um músico em turnê. Ele disse que se lembrava de ter instrumentos de brinquedo quando criança e que com a idade de nove anos, ele não conseguia decidir se queria ou não aprender a tocar bateria ou guitarra, por isso a sua mãe tomou a decisão e o colocou nas aulas de bateria. Pela idade de quinze anos, este multi-instrumentista decidiu que queria tocar o tempo inteiro e deixou a escola na tentativa de satisfazer sua fome de música e da cultura que o rodeia. Com dezessete anos, ele se juntou ao The Bicycle Thief, com Bob Forrest e tocou profissionalmente desde então. Atualmente com 32, Klinghoffer estava presente na cerimônia do Rock and Roll Hall of Fame no início deste ano, quando os Red Hot Chili Peppers foram empossados. Ser seu atual guitarrista fez dele o mais jovem membro de sempre a ser introduzido, embora ele humildemente tenha afirmado que não tinha controle sobre quando ele havia nasceu e não sente como se estivesse “feito tantos trabalhos, levado diversão e alegria” ao longo dos anos como os outros membros da banda.Embora atualmente em turnê com o Red Hot Chili Peppers, Klinghoffer está animado para o lançamento do LP do Dot Hacker e espera poder agendar algumas datas da turnê com a banda em um futuro próximo. Para ele, ainda é um pouco estranho pensar que este álbum é novo para nós, uma vez que tem sido feito há quase três anos. Ele disse que a banda já começou a escrever mais canções e só precisa encontrar um tempo em que todos estejam disponiveis para começar a gravar seu próximo álbum. Quando perguntado se ele tinha uma canção favorita no álbum, Klinghoffer disse que ele estava especialmente orgulhoso por “Discotheque” uma música que acabou indo para o álbum e que ele também gosta de Puncture. Eu por exemplo, estou ansioso para ter em minhas mãos um exemplar de “Inhibition” e também, espero ver o Dot Hacker ao vivo em um futuro próximo.

0 thoughts on “Josh Klinghoffer fala sobre o álbum Inhibition”

Leave a Reply