Please enter your username and email address. Get new password
Register Now
x

Berliner Zeitung: Entrevista com o RHCP (30/11/2011)

00

(30/11/2011)

Os Red Hot Chili Peppers são os mestres do renascimento. Pessoalmente e musicalmente. Exceto para o novo guitarrista Josh Klinghoffer de 31 anos de idade – que substitui o lendário John Frusciante – todos eles são homens de quase 50. Homens, que gostavam de sexo, drogas e rock ‘n roll. Mas também são pais que somando todos, possuem oito filhos. Homens em uma forma invejavelmente boa, que são capazes de permanecer semi-nus no palco, sem ser algo desconcertante. Como por exemplo no Domingo no Ostbahnhof onde apresentam seu novo álbum “I’m with You”.

O vocalista do RHCP, Anthony Kiedis está contente consigo mesmo, com a banda e com o novo álbum. “Acho que fizemos um bom trabalho”, disse ele em uma entrevista. “Flea teve grandes idéias para o álbum. Uma delas foi tocar por um ano inteiro apenas para escrever e ensaiar. Isso nos ajudou a criar uma série de boas idéias para músicas.”

Josh brilha
A coisa emocionante sobre a ocupação atual do Red Hot Chili Peppers, claro, é o novo guitarrista Josh Klinghoffer, substituto natural de John Frusciante. Ambos os guitarristas são amigos íntimos, Josh Klinghoffer tem tocado na maioria dos álbuns solo de John Frusciante, e os Red Hot Chili Peppers conhecem Klinghoffer desde quando ele tinha dezesseis anos, primeiro como um fã e mais tarde como um amigo, e mais recentemente como novo guitarrista da banda.

Deixando todas as dúvidas de lado, o baterista Chad Smith diz que a pressão sobre Klinghoffer poderia ser muito grande. “É claro que há pressão, porque Josh é o cara novo. Mas não para nós, e sim para os outros. Josh é incrível, ele é um arquiteto acústico que nos conduz para novos domínios. Josh brilha!”

Uma vez após o seu grande sucesso com o álbum de 1991 “Blood Sugar Sex Magik”, a banda teve que substituir John Frusciante. Ele não gostou do sucesso e estrelato, Frusciante preferia tocar em lugares menores em vez de grandes salas de concerto. Naquela época, Dave Navarro do Janes Addiction se juntou à banda, de acordo com Flea, no entanto, fez um péssimo trabalho.

“Dave nunca deu seu coração para nós. Esse foi o problema, porque ele é um grande guitarrista, mas ele nunca confiou em nós. Ele não queria nem o nosso amor, nem o nosso apoio. Talvez seja a forma como ele funciona em outras bandas, mas precisamos de florescer o amor mútuo. Conosco, ele não estava nem na metade disso, uma diferença enorme em comparação com o Dave do Jane’s Addiction. Ele nunca se sentiu seguro com a gente, era paranóico, por qualquer motivo. Mas isso é completamente diferente da nossa situação atual com Josh Klinghoffer”.

Envergonhado ao dar entrevistas

O amado Josh Klinghoffer é muito tímido ao dar entrevistas, ele responde apenas com meias frases e generalidades, ele evita o microfone constantemente. Apenas na pergunta sobre o que significava para ele, tocar agora com o Red Hot Chili Peppers, Josh Klinghoffer mantém uma resposta clara: “É uma honra para mim, uma alegria enorme. Quando eu saí da escola aos 15 anos para apenas tocar guitarra, eu era um fã da banda, agora eu toco com meus heróis. Isso é mais que um sonho tornado realidade, na medida em que eu nunca teria ousado sonhar. Os Peppers são boas pessoas que cuidam um dos outros. Admiro eles, e agora que estou com eles todos os dias, os conheo melhor ainda. Isto é realmente ótimo!

Também é importante o fato de que Klinghoffer ter algo necessário, como a maioria dos membros da banda ele é de Los Angeles. “A cidade”, diz Anthony Kiedis, “tem uma grande parte daquilo que nós representamos hoje como uma banda. Durante anos Flea e eu literalmente viviamos nas ruas e nos quintais de LA. Estávamos na sujeira, e quando você está tão intimamente ligado à vida e a morte nas ruas, você se torna parte da cidade. Amamos a energia que a cidade cria. Todas essas pessoas, que estão preocupados com com o dia em LA, seus pensamentos, suas esperanças. Todos eles vieram para fazer seus sonhos se tornem realidade. E não importa se eles fazem isso, nós lucramos com a sua presença. Como em todos os outros álbuns, esta cidade me inspirou dessa vez também. Durante a música ‘Happiness Loves Company Eu canto “‘Young lovers keep it pumping in the street of LA.”

Nenhuma banda fala tanto sobre amor durante uma entrevista. Do amor uns pelos outros, pela cidade, pelo universo e especialmente pela música, de acordo com Flea: “O sentido animalesco, a tecnologia, a relação física, o poder da música, você se sente bem. A música é ilimitadamente fascinante todos os dias. Esta manhã no café da manhã ouvi Ravel, música incrivelmente boa.”

O Red Hot Chili Peppers estão saudáveis em 2011, impulsionado por dietas alimentares, às vezes até mesmo por meio de uma forma adaptada de dieta para cada tipo de sangue. Eles entraram e saíram de momentos de sofrimento após a morte de seu primeiro guitarrista  Hillel Slovak devido à uma overdose de drogas em 1988. Eles derrotaram seus demônios; atualmente nenhum deles está viciado em drogas.

Permanecer pra sempre jovem
Todas as provações e tribulações das duas primeiras décadas do Red Hot Chili Peppers leva Flea a fazer uma retrospectiva da imensa pressão que havia no interior e no exterior. “Eu não sei se você pode passar pela vida sem ter que provar algo a si mesmo e ao mundo que o cerca. Mas eu me lembro de como eu era infeliz no momento em que eu queria mostrar isso à todos. Um desperdicio incrivel de energia. Agora sou muito mais feliz com a minha nova moto Triumph Bonneville laranja e preta e pelo fato de eu ainda ter um muito sexo. Em outro caso, toco todos os dias e quando Anthony me chama, vamos surfar. A vida é boa.”

Flea parece como alguém que saiu de todo processo de envelhecimento. “Eu quero continuar a ser um menino para sempre”, ele diz. “Você tem que crescer em muitas áreas da vida. Você tem que assumir a responsabilidade em seu trabalho, seu relacionamento, como um pai. E você ainda deve crescer emocionalmente e espiritualmente. Mas é exatamente quando você vivencia de novo a sua criança interior, a mente fresca, a despreocupação. Deixei-me dizer assim: Hooray for the cocks! / Saudações para os pintos!”

Tradução: Josh Klinghoffer Fansite
Fonte

0 thoughts on “Berliner Zeitung: Entrevista com o RHCP (30/11/2011)”

Leave a Reply